O PSIU procura definir uma forma de comunicação para diferentes tipos de aplicação e volume de dados e diferentes topologias.

A proposta do PSIU é normatizar comandos, informações e formas de comunicação para que a conversa ocorra entre dispositivos independente dos programas de controle utilizados.

Entre inúmeros protocolos de comunicação que já foram criados, o modelo OSI é universalmente adotado e utilizado inclusive no TCP/IP (protocoloda Internet). De forma a ilustrar a abrangência do PSIU, ele representaria uma única camada do modelo OSI, a de aplicação. Isso quer dizer que o protocolo PSIU não normaliza as camadas mais baixas que denem o canal de comunicação e a forma que a mensagem chega até o destinatário. Ele apenas define palavras formadas em um padrão já consolidado, chamado ASCII, e essas palavras podem ser traduzidas em ações ou informações para robôs independente de sua arquitetura.

Sendo assim o protocolo PSIU pode ser utilizado em um canal serial (UART232, comN) consolidado no Sistema operacional de um PC, por exemplo, a partir de um driver especíco (FTDI) e com comunicação por cabo. Como pode utilizar um driver similar consolidado através de uma comunicação bluetooth. Os mesmos comandos também podem trafegar em textos dentro de mensagens HTML ou sobre qualquer outro protocolo. O que o PSIU vem normatizar é o padrão em que o texto dos comandos são formatados.

Para garantir o envio de comandos em dispositivos com processamento limitado também existe a versão simplicada do PSIU que descreve comandos a partir de códigos hexadecimais de 8 bits sem a utilização da codicação ASCII.
Mais informação pode ser encontrada neste link: http://dl.dropbox.com/u/53749410/psiu.pdf

Conteúdo criado na rede antiga por Ricardo Mariz


Atividades recentes